PT | EN | ES

1  Casillas

2  Maxi 

28  Felipe (30')

5  Marcano (25')

13  Alex Telles

6  Rúben Neves (c)(22')

20  André André

25  Otávio 

17  Corona

10  André Silva 

29  Soares 


Suplentes

12  José Sá

4  Boly

8  Brahimi

16  Herrera

19  Diogo Jota 
(64' Soares)

21  Layún 
(69' Maxi)

30  Óliver Torres 
(64' Otávio)


Treinador

Nuno Espírito Santo

sex, 17 fevereiro 2017 • 20:30
Estádio: Dragão, Porto
Assistência: 35.210 espetadores
FC Porto
22.ª jornada
Tondela
443'  André Silva  (pen)54'  Rúben Neves (c) 62'  Soares  90+2'  Diogo Jota 
0
Árbitro: Luís Ferreira (Braga)
Assistentes: Luís Cabral e Inácio Pereira
4.º Árbitro: João Matos
TV: Sport TV

1  Cláudio Ramos

13  Jailson

4  Kaká (c)(2')

24  Osório (42') (45+2')

90  Ruca

7  Claude Gonçalves

8  Hélder Tavares 

17  Pedro Nuno 

15  John Murillo

11  Miguel Cardoso

99  Heliardo 


Suplentes

12  Janota

9  Batista 
(64' Heliardo)

14  Fernando Ferreira 
(63' Hélder Tavares)

18  Amido Baldé

44  Rafael Amorim 
(46' Pedro Nuno)

77  Murilo

79  Lystov


Treinador

Pepa

17-02-2017

Sexta a fundo para o primeiro lugar

Goleada sobre o Tondela (4-0) na jornada 22 da Liga NOS​​​​​​. Marcaram Soares, André Silva, Rúben Neves e Diogo Jota​​​​​


​​O comando da Liga NOS voltou a mudar de dono, como tem sido tradição nestas últimas semanas. Volta a estar nas mãos do FC Porto depois de ter somado, frente ao Tondela, a sexta vitória consecutiva no campeonato (4-0), que assim se torna a sequência mais positiva da época. E no topo da tabela mantém-se a espécie de pressão pingue-pongue que se tem vivido desde os inícios deste fevereiro, e que agora está do lado do segundo classificado, o Benfica, que no domingo, em casa do Sporting de Braga, tentará anular a desvantagem de dois pontos para os azuis e brancos.

A jornada 22 da Liga inaugurou-se na noite desta sexta-feira no Estádio do Dragão, em casa de uma equipa que já não perde há 18 jogos, há quase meio ano e que lidera a lista de invencibilidade entre as dez ligas mais cotadas no ranking da UEFA. E de uma equipa que em campo se apresenta cada vez mais versátil, como disse Nuno Espírito Santo na antevisão do jogo. O treinador voltou a mexer em três peças do xadrez e fez regressar à titularidade Rúben Neves, Corona e ainda Otávio, o que significou a aposta num 4-4-2 clássico.

Tal como já tinha acontecido no clássico frente ao Sporting e em Guimarães, frente ao Vitória, o FC Porto entrou em campo forte e pressionante, tentando aproximar-se das zonas de finalização através de transições rápidas e aproveitar os momentos de desorganização do adversário. Aos quatro minutos já espreitava o golo - um cabeceamento de Soares só não teve êxito, porque Cláudio Ramos, com uma boa defesa, não o permitiu. Mais tarde, voltou a ameaçar novamente o golo: primeiro, num lance de insistência de André Silva ao qual Soares não conseguiu dar o melhor seguimento; depois, num remate de Otávio que o guarda-redes tondelense defendeu com uma grande defesa para canto.

Foram 15 minutos muito intensos dos azuis e brancos que colocaram dificuldades ao Tondela, que depressa se recompôs, apresentou com um bloco subido e compacto que procurava condicionar as perigosas combinações portistas e com dois homens velozes na frente, que ensaiaram algumas incursões perigosas à baliza do FC Porto. Na mais perigosa, Casillas, que aqui cumpria o jogo número 70 com a camisola azul e branca, não permitiu que Heliardo festejasse (41m). Quem festejou, dois minutos depois, foi André Silva na conversão de uma grande penalidade a castigar uma falta sobre Soares, o que permitiu ao internacional português assinar o 13.º golo no campeonato, o 18.º desta temporada.

Os instantes finais da primeira parte, aliás, foram fatais para o Tondela, que se viu reduzido a dez jogadores após Osório receber o segundo cartão amarelo e o consequente vermelho. Os primeiros minutos da segunda também. O FC Porto entrou a todo o gás em busca de um conforto maior no resultado, que podia ter se Soares e depois André Silva tivessem tido mais pontaria na hora do remate ou se Cláudio Ramos não tivesse numa noite inspirada e voltasse a negar, de novo, o golo ao avançado brasileiro.

O 2-0 parecia iminente e chegou mesmo no lance seguinte com uma bomba monumental do capitão Rúben Neves que fez levantar da cadeira os mais de 35 mil espetadores presentes no Estádio do Dragão – o médio tem uma apetência especial para os golos bonitos, como o último que marcou, em Coimbra, frente à Académica, na época passada. O Tondela sentia muitas dificuldades em organizar-se em inferioridade numérica e concedia espaços que os portistas aproveitaram da melhor forma para alargar a vantagem. O culpado foi o inevitável Soares que, servido por Otávio, atirou em arco para fora do alcance de Cláudio Ramos – foi o quarto golo de “Tiquinho” nos três jogos que realizou ao serviço do FC Porto.

Estava cumprida uma hora de jogo, os três pontos estavam praticamente garantidos e Nuno começou a refrescar a equipa, até porque na quarta-feira há encontro com a Juventus no Dragão​, para começar a discutir o acesso aos quartos de final da Liga dos Campeões. O treinador começou por lançar Óliver Torres e Diogo Jota, e pouco depois Layún, mas nem por isso os portistas deixaram de controlar o jogo a seu bel-prazer, acelerando-o e pausando-o nos momentos certos, e sempre com uma boa reação à perda que não permitiu qualquer possibilidade ao adversário de causar problemas à defesa que apresenta a melhor média de golos sofridos entre as principais Ligas europeias. Lá na frente, os espaços iam aparecendo na defesa do Tondela, o quarto golo foi pairando no ar, mas só surgiu no último minuto de compensação: Diogo Jota fixou o resultado final com um remate de primeira, indefensável para Cláudio Ramos.​

Voltar ao Topo
FC Porto-Tondela (Liga NOS, 22.ª jornada)
Facebook Twitter Pinterest Share
Facebook Twitter Pinterest Share
Facebook Twitter Pinterest Share
Facebook Twitter Pinterest Share
Facebook Twitter Pinterest Share
Facebook Twitter Pinterest Share
Facebook Twitter Pinterest Share
Facebook Twitter Pinterest Share
Facebook Twitter Pinterest Share
Facebook Twitter Pinterest Share
Facebook Twitter Pinterest Share
Facebook Twitter Pinterest Share
Facebook Twitter Pinterest Share
Facebook Twitter Pinterest Share
Facebook Twitter Pinterest Share
Facebook Twitter Pinterest Share
18-02-2017

Alex Telles: um MVP “feliz”

Defesa portista foi considerado o melhor em campo na goleada frente ao Tondela​

Ver mais
17-02-2017

Regresso ao trabalho este sábado

​Plantel começa a preparar a receção à Juventus, da primeira mão dos “oitavos” da Champions (quarta-feira, 19h45)

Ver mais
17-02-2017

“Estou satisfeito porque conseguimos o que queríamos”

​Nuno Espírito Santo só lamentou as oportunidades desperdiçadas na goleada sobe o Tondela (4-0)​

Ver mais
17-02-2017

Otávio viu um “jogo bem conseguido”

Médio brasileiro admitiu que o encontro poderia ter ficado resolvido mais cedo​​​​​​

Ver mais
17-02-2017

Rúben Neves: “Sentimo-nos confiantes”

​Médio foi capitão e apontou um golaço no triunfo expressivo do FC Porto sobre o Tondela (4-0)

Ver mais
17-02-2017

André André: “O mais importante era ganhar”

Médio falou num "bom jogo" dos azuis e brancos na vitória do FC Porto sobre o Tondela (4-0)​​

Ver mais
Fechar