FCP logo
0

Na véspera de mais uma tomada de posse, Pinto da Costa concedeu uma grande entrevista ao Porto Canal

No dia seguinte a ter sido reeleito presidente do FC Porto e na véspera de mais uma tomada de posse, Jorge Nuno Pinto da Costa concedeu uma grande entrevista ao Porto Canal. O líder dos Dragões, que se prepara para cumprir o 15.º mandato consecutivo, percorreu vários temas ligados ao presente e ao futuro, mas não esqueceu o passado. A tomada de posse, recorde-se, está agendada para esta terça-feira, às 18h00, no Auditório José Maria Pedroto, localizado no piso -3 do Estádio do Dragão.

A Assembleia Geral da Liga Portugal
“A minha posição, e a do FC Porto, foi igual à de todos. O presidente Pedro Proença apresentou um resumo da sua atividade e toda a gente reconheceu que foi brilhante. Apresentou um novo modelo de governação aceite por todos os presentes, sujeito a qualquer retoque, naturalmente. Saiu tudo de acordo e não houve nenhuma contestação a Pedro Proença. Se se vai recandidatar, ou não, só ele saberá. Pela minha parte, gostaria que o fizesse, mas não sei a disponibilidade que tem. Hoje, foi tudo aprovado por larga maioria. Se o Pedro Proença avançar, tem de haver um acerto estatutário por causa da limitação de mandatos. Espero que esteja disponível, pois ele transformou uma Liga praticamente falida numa Liga que fez coisas fantásticas e que até ajudou os clubes da LigaPro nesta altura. Ao presidente do FC Porto, Pedro Proença nunca prestou vassalagem e isso é algo que vai contra o espírito que ele tem. Não presta vassalagem a ninguém e nem precisa disso.”

Presença nas reuniões da Liga e na comunicação social
“Quando considero que as reuniões da Liga são importantes, eu vou. Temos o Ricardo Martins e o Hugo Nunes que nos representam na Liga. Quando acho que é importante estar, estou. Estar mais presente junto da comunicação social? É possível, mas não peço a ninguém para dar entrevistas.”

As eleições e Matos Fernandes
“Impressionaram-me várias coisas nas eleições, a começar pelo número de votantes: 8.480. É algo impressionante para um clube na altura em que estamos, pois há muita gente que tem receio. Os nossos jogadores que são sócios, por exemplo, não foram votar por precaução. Não teria havido risco nenhum, mas as pessoas não sabiam. Para verem como tudo estava montado, era preciso ir lá ver. Impressionou-me a forma como tudo foi organizado. Todos se renderam perante aquela organização e todos elogiaram Matos Fernandes, o nosso presidente da Mesa da Assembleia Geral. Toda a gente foi exemplar. Poderá parecer mal eu dizê-lo, mas só estou a fazer eco do que toda a gente disse. Matos Fernandes fazia anos no sábado e esteve lá o dia todo. Tem uma dedicação muito grande. Hoje tive o cuidado de falar com os diretores que serão empossados amanhã e tenho a ideia de propor à Direção que Matos Fernandes seja elevado à categoria de Presidente Honorário, mas é algo que tem de ser discutido em Assembleia Geral. Foi o expoente máximo da realização destas eleições e fez um trabalho fantástico ao longo destes anos. Ele não vai continuar no cargo porque entende que não tem de pedir autorização ao Conselho de Magistratura para exercer a função de presidente da Mesa da Assembleia Geral. O FC Porto não pode nunca deixar de, publicamente, galardoar aqueles que se sacrificam e que trabalham como ele fez ao longo destes anos.”

Os resultados das eleições
“É natural que o desgaste seja grande ao fim de 38 anos de presidência, sobretudo neste momento difícil e delicado. Temos muitos problemas para resolver e alguns foram resolvidos nestes dias. Haver quase 30% dos sócios que não votaram em mim é algo perfeitamente normal e que respeito. Tenho consideração por todos os sócios que vieram votar e nunca apelei para que votassem em mim. Apelei, isso sim, para que votassem, simplesmente.”

Alterações nos estatutos
“Acho que estão ultrapassados. Isto de só se poder votar no Dragão Arena é impossível, pois têm de haver outros locais ou voto eletrónico. Mas não é só isso. Não devo ser eu, que vou continuar presidente, a dizer que quero isto ou aquilo. Vou criar uma comissão, por exemplo com juristas do Conselho Superior, para que apresentem propostas para ser levadas à Assembleia Geral.”

Recuperação financeira é prioridade
“Tem de ser uma das prioridades. A Direção vai funcionar em bloco, mas há responsáveis por todas as áreas específicas e são essas pessoas que se vão debruçar sobre os assuntos para depois todos decidirem. Foi moda durante a campanha criticar Fernando Gomes, mas ele manteve-se completamente alheio a tudo. O FC Porto realizou uma Assembleia Geral de Obrigacionistas e 87% estiveram de acordo quanto ao adiamento. As pessoas compreenderam a situação que o clube, o país e o mundo atravessam. Para tranquilizar os detentores de obrigações, Fernando Gomes marcou para amanhã o pagamento dos juros. Há indivíduos que até estão a comprar obrigações porque consideram ser um bom negócio. É uma oportunidade de ter uma aplicação correta e uma prova de confiança no FC Porto.”

As palavras de Luís Filipe Vieira sobre a Cidade do FC Porto
“Quem fala do que não sabe, está sujeito a dizer asneiras. Rui Moreira soube onde iria ser a Cidade do FC Porto há dias. Quando se fala sem saber, sujeita-se a dizer barbaridades.”

Políticos na lista
“Não me interessa se o indivíduo é político, pastor protestante, padre da Igreja Católica ou engenheiro. O que importa é a seriedade e a competência das pessoas. Não considero Rui Moreira um político. Nunca pertenceu a nenhum partido político e foi candidato independente à Câmara Municipal do Porto. É um empresário de sucesso e toda a gente sabe que ele não é político. Melhorou as condições de vida dos portuenses.”

Fernando Gomes e Vítor Baía
“A formação do FC Porto, que muita gente critica, tem quase uma dezena de jovens formados no clube que estão no plantel principal. Há um ano, a nossa equipa de Sub-19 venceu uma prova europeia. Eles estão lá porque têm qualidade. O futebol de formação pertence ao FC Porto, não à SAD. Faz todo o sentido que o FC Porto tenha um elemento diretivo que dirija esse departamento. O Fernando Gomes tem conhecimento de futebol, sabe lidar com jovens e será uma mais-valia para toda a gente que trabalha nesse departamento. A presença de Fernando Gomes é um estímulo para toda a gente no FC Porto porque ele é um ídolo para muitas pessoas. A SAD é que gere o futebol, mas não podemos esquecer que a SAD é maioritariamente do FC Porto. O responsável número um da formação será o Fernando Gomes. O Vítor Baía vai estar ligado ao futebol com outras pessoas, em sintonia para fazer um bloco só que vai gerir o futebol.”

A renovação de Tomás Esteves
“Renovámos agora com o Tomás Esteves, que é um jovem com um talento fantástico. Gosto muito dele, até porque sei que é um fanático pelo FC Porto. A cláusula de rescisão dele era de 10 milhões e passou para 40 milhões. Não quero que ele saia, mas se alguém bater a cláusula de rescisão, não podemos fazer nada. O mercado é mesmo assim. O FC Porto tem de se proteger tendo os contratos seguros, com cláusulas altas e com boas condições para os jogadores. Não é fácil ter um jogador que ganha X e aparecer um clube que lhe paga 20 vezes mais. Há uma grande diferença a nível de salários entre Portugal e outros países.”

O reforço do plantel de futebol
“O reforço da equipa será mediante os jogadores que forem para fora, procurando contratar jogadores para lugares específicos em que tenhamos necessidade. Não vamos dizer agora que é só formação. Não, de maneira nenhuma. Se precisarmos de um central com garantias de poder jogar que não exista na formação, temos de o contratar lá fora.”

A continuidade de Sérgio Conceição
“Enquanto for presidente, tenho esse desejo que o Sérgio Conceição fique enquanto eu for presidente. O Sérgio Conceição é treinador do FC Porto para o ano, porque tem contrato. Daqui a dois, quero que seja também. Se ele quiser renovar, renovo já amanhã. Já tive um treinador que estava na cadeira de sonho e depois desapareceu. Para o ano, o treinador é o Sérgio Conceição, de certeza absoluta. Daqui a dois anos, por mim, também será.”

As ligações entre o Benfica e o CD Aves
“Não sei que tipo de contratos são. Só sei que vinha um escândalo no jornal Público. Os contratos no FC Porto são claríssimos e são o que são. Não há simulações, nem empréstimos fictícios. Se Luís Filipe Vieira diz que existe no Barcelona ou no Real Madrid, não sei, mas no FC Porto garanto que não. E quem diz aquilo é uma senhora que foi diretora do CD Aves e que ainda hoje estava a representar o clube na Assembleia Geral da Liga. Disse que ia fazer uma auditoria, mas não é para ver se é verdade, é para provar o que vem no jornal. São coisas realmente esquisitas, mas cada um está no futebol como quer.”

Os negócios de Paulo Gonçalves para o Benfica
“Sei de dirigentes que já me disseram que fizeram negócios de jogadores e que depois tiveram de pagar uma comissão para o Paulo Gonçalves como sendo ele que faz os negócios. Deve ter uma empresa de agenciamento de jogadores, só pode. Incompatibilidade? Eu vejo, mas não sou eu que tenho que ver. Não sou polícia nem juiz, mas não acho normal.”

A violência no desporto
“Mesmo fora dos estádios, há uma grande insegurança. Ainda recentemente um indivíduo da claque do Sporting foi espancado por uma dúzia ou mais de adeptos da claque do Benfica. Já houve uma morte junto ao estádio (da Luz) por atropelamento de um indivíduo italiano que era adepto do Sporting. Quando se trata de adeptos do Benfica, as coisas passam ao de leve. E desta vez houve uma coisa gravíssima: alguns comentadores quiseram passar a ideia de que seria uma retaliação da claque do Sporting para com o Benfica, tentando desculpar a claque do Benfica e culpar a do Sporting. Isto, para mim, é que é grave. É a história da carochinha, tentando atirar areia para os olhos das pessoas, mas felizmente a polícia identificou-os e sabe-se que são da claque do Benfica. Desta vez ninguém veio falar em terrorismo, mas houve logo a preocupação de tentar ilibar, e depois já nem era a claque, era a ala radical da claque, que por ser radical já não era bem da claque. Isso é muito grave. E os grandes responsáveis morais do que acontece são esses senhores que, por fanatismo ou outra coisa qualquer, tentam branquear tudo o que aconteça de mal feito por adeptos do Benfica. Depois há João Paulo Rebelo (secretário de Estado da Juventude e do Desporto) e os organismos criados para combater a violência. Essas entidades fecham os olhos ao que se passa nas claques. Foram coisas denunciadas nos e-mails e depois ficam na gaveta. Esses organismos responsáveis pela violência no desporto são responsáveis morais pelo que acontece. Tudo o que acontece de violência relacionada com o Benfica, João Paulo Rebelo não diz nada, mas veio a público repudiar um catraio de 16 anos que empurrou o João Félix à porta de um hotel. É responsável pela situação que estamos a viver.”

Cláudia Santos no Conselho de Disciplina da FPF
“Esse nome, para mim, é incompreensível. Disseram-me que a AF Porto não subscreveu a lista de Fernando Gomes porque não subscreveria uma lista em que estivesse essa senhora. Foi, para mim, uma nomeação incompreensível. Esteve no Conselho de Disciplina da Liga, no tempo de Luís Duque e de Mário Figueiredo, e foi colocada fora por nove dos dez clubes que estavam representados na Direção da Liga, à exceção do Benfica. Essa senhora, nas aulas, dito por outros colegas, dava como exemplo de más decisões dos tribunais tudo o que absolvesse o FC Porto. Um juiz ficou afastado do caso do Rui Pinto por ter manifestações do seu benfiquismo nas redes sociais e esta senhora, que foi corrida da Liga por nove clubes, menos o Benfica, aparece agora como presidente do Conselho de Disciplina da FPF. É incompreensível.”

    O Portal do FC Porto utiliza cookies de diferentes formas. Sabe mais aqui.
    Ao continuares a navegar no site estás a consentir a sua utilização.