FCP logo
0

Central celebra o seu 33.º aniversário

Iván Marcano está de parabéns. O defesa central celebra esta terça-feira, véspera de São João, o seu 33.º aniversário e mesmo que numa fase difícil da carreira, pela grave lesão que se encontra a debelar e o impede de ajudar a equipa até ao final da temporada, é hora de festejar para o espanhol.

Conhecido pelo lado frio e compenetrado com que se apresenta quase sempre publicamente, seja em campo ou fora dele, Iván Marcano Sierra é um verdadeiro Dragão frio, que prefere os atos às palavras e faz do rigor a regra com que assentou uma carreira que passou por vários países e lhe trouxe bastantes troféus.

Natural de Santander, foi no Racing local que se fez jogador. Percorreu todos os escalões de formação até chegar à primeira equipa, na temporada 2007/08. No ano seguinte, pegou de estaca e ultrapassou a fasquia dos 40 jogos pelo Racing, além de representar a seleção Sub-21 espanhola no Euro 2009. Foi titular no único dos três jogos que Espanha venceu (2-0 à Finlândia).

Nesse ano fez, também, a primeira de várias mudanças na carreira. Assinou pelo Villarreal, mas ficaria apenas uma temporada no «Submarino Amarelo», sendo depois cedido a Getafe e Olympiakos, nos anos seguintes. Na Grécia sagrou-se, pela primeira vez, campeão nacional, numa equipa comandada por Ernesto Valverde, que já o conhecia de Villarreal.

Passou, depois, um ano e meio no Rubin Kazan, que o contratou em definitivo e onde somou uma Supertaça da Rússia ao currículo. A meio de 2013/14 regressou, por empréstimo, ao Olympiakos, a tempo de somar novo título nacional.

O verão de 2014 faria, então, Marcano chegar a Portugal. Ao longo de quatro temporadas no FC Porto, ultrapassou sempre a barreira dos 30 jogos e, com o tempo, descobriu uma outra vertente: a de central goleador. Depois de um primeiro ano em branco, marcou dois golos em 2015/16; cinco em 2016/17 e, no ano seguinte, em que celebrou o título nacional português, teve a temporada mais concretizadora da carreira, com sete golos apontados.

Esta época, em que regressou à Invicta após passagem pela AS Roma, já levava seis golos antes da lesão e tinha atingido o top-5 dos defesas mais goleadores da história do clube, igualando o eterno capitão João Pinto, com 20 golos marcados.

São, por isso, vários motivos de orgulho para o central espanhol, num dia especial como este.

Muitos parabéns.

    O Portal do FC Porto utiliza cookies de diferentes formas. Sabe mais aqui.
    Ao continuares a navegar no site estás a consentir a sua utilização.