FCP logo
0

Sérgio Conceição fez a antevisão da jornada europeia frente ao Marselha (terça-feira, 20h00)

A elite do futebol europeu está de volta ao Estádio do Dragão. Às 20 horas desta terça-feira, FC Porto e Marselha medem forças num encontro relativo à terceira ronda do grupo C da Liga dos Campeões. Em conferência de imprensa de antevisão da partida, Sérgio Conceição mostrou-se preparado para “apanhar um adversário difícil”. “Sabemos as dificuldades que vamos encontrar e sabemos o que temos de fazer para ganhar o jogo”, acrescentou o treinador campeão nacional, que reconheceu ainda a vantagem gaulesa no tempo de preparação para a deslocação à cidade Invicta. Depois de revelar que Pepe está em dúvida para o encontro por questões físicas, Sérgio Conceição assumiu que o FC Porto está ciente das recentes debilidades defensivas dos Dragões, mas garantiu: “estamos atentos e a trabalhar nisso”.

Ciente da dificuldade do adversário
“O Marselha está num contexto competitivo acima daquilo que é a liga portuguesa, com testes semanais muito interessantes. Esta semana não teve, mas teve oportunidade de preparar o jogo de melhor forma, com mais tempo, e nisso parte em vantagem. Tem um treinador que já ganhou a Liga Europa, já ganhou títulos, é reconhecido no mundo do futebol como um dos melhores treinadores. Tem jogadores que fazem parte das suas seleções, nomeadamente a francesa. Vamos apanhar um adversário difícil. Não tirando aquilo que é a nossa responsabilidade de ganhar o jogo, não nos enganemos com essa imagem do Marselha. Sabemos as dificuldades que vamos encontrar e sabemos o que temos de fazer para ganhar o jogo.”

Interação diária com o plantel
“Falo todos os dias no balneário, é essa a minha forma de estar, falar com os jogadores, explicar-lhes o que vamos fazer no treno, falar sobre o que se passou no jogo anterior. Eu falo todos os dias.”

Titulares dependem do momento e da dinâmica
“O Taremi é um jogador super educado, que tenta fazer o máximo, que está num período de adaptação e, se calhar, é dos jogadores mais utilizados. É verdade que ainda não teve essa oportunidade como titular, como muitos outros que foram utilizados e não foram titulares. Não é por petições públicas que eu vou meter um ou outro jogador. Eu dou a titularidade a quem eu acho que merece, em função do momento do jogador e daquilo que pode emprestar à equipa na nossa dinâmica de jogo. Nós funcionamos dessa forma. Eu tenho um grupo de trabalho que são homens que percebem quando o desempenho é bom e quando não é tão bom. Percebem o que é que correu mal e eles também podem opinar sobre a prestação individual, eu também promovo isso no balneário.”

FC Porto exige que todos deem o máximo
“Quando falei do chip no final do jogo em Paços de Ferreira não era só um chip. Eram 25 chips, incluindo o da equipa técnica. Os jogos são preparados ao pormenor, olhando para o adversário, para as suas forças, as suas individualidades. Dentro dessas individualidades, olhando para como funciona o coletivo. Depois trabalhamos em termos estratégicos no pouco tempo que temos entre estes jogos todos. Quando se muda de uma competição para a outra é conveniente esse chip ser mudado, e eu acho que essa mudança deve acontecer de forma completamente natural. Todos os dias vimos com o intuito de sermos melhores hoje do que fomos ontem, de darmos o máximo, porque assim o clube o exige. Um jogo é um jogo, eu não olho para os jogos de forma diferente. A nossa preparação para o Paços de Ferreira foi igual à que fizemos agora para o Marselha. Obviamente que com mais um dia para recuperar em relação ao intervalo que houve do Olympiacos para o Paços de Ferreira. Obviamente que as equipas e as dinâmicas são diferentes, mas a preparação e o nosso rigor no trabalho são exatamente os mesmos.”

Estratégia definida para os diferentes cenários
“O Marselha já começou com uma estrutura diferente em três ocasiões. Jogou contra o Manchester City em 3-5-2, nas duas vitórias que teve foi num 4-4-2 losango no meio campo, e também num 4-3-3 típico, que o André Villas-Boas utilizou mais vezes ao longo da sua carreira. Nós estamos preparados para essas diferentes situações, olhando muito para as individualidades e perceber que dinâmicas têm nesses diferentes esquemas táticos. Nós não podemos controlar isso, não sabemos se vem aqui uma equipa mais na expetativa ou mais pressionante, isso depende da estratégia do treinador do Marselha. Cabe-nos a nós definir a nossa estratégia e estarmos preparados para os diferentes cenários que o adversário possa apresentar.”

Marselha teve mais tempo de preparação
“Tiveram mais dias de descanso, puderam preparar melhor o jogo porque há sempre pormenores que são importantes e é preciso tempo para prepará-los. Não havendo, temos que utilizar o tempo que temos à disposição ao máximo.”

Pepe em dúvida
“Se calhar não vamos ter o Pepe. Porque depois dos quinze minutos que vocês viram do treino ele saiu. E não é qualquer tipo de bluff, infelizmente. Por isso vai ser muito difícil ter o Pepe no jogo. Vamos tentar, vou falar com ele para saber se vem connosco para estágio e com o departamento médico para ver se há alguma esperança de que possa jogar.”

Zaidu disponível
“O Zaidu está disponível para o jogo e tem feito um bom início de época, olhando para o que ele era e para onde ele estava. Está disponível, vamos ver se joga ou não. Mas temos de arranjar soluções para estas ausências, sejam por castigo ou por lesão. Sofrermos golos é uma realidade, estamos a trabalhar nisso. Não é um problema do setor defensivo ou do guarda-redes, é um problema coletivo de toda a equipa. Nós conseguimos identificar o porquê de sofrermos esses golos. Há situações que não estamos a fazer e onde éramos muito fortes, que faziam parte da nossa identidade e caraterísticas como equipa e não estamos a cumprir. Às vezes basta um jogador não cumprir, estar mal posicionado ou não ser comprometido na reação à perda para haver um desequilíbrio ou uma descompensação. E não tem sido só um, têm sido mais. Mas identificámos isso e estamos a trabalhar nesse sentido, seria estúpido da minha parte não perceber que algo não está bem ao sofrer tantos golos. Mesmo equipas que treinei que não eram do nível do FC Porto sempre foram consistentes e sólidas a nível defensivo. Está a acontecer algo de anormal, sem dúvida nenhuma, mas nós estamos atentos e a trabalhar nisso.”

Impacto de André Villas-Boas no FC Porto é reconhecido por todos
“O impacto do André (Villas-Boas) no FC Porto é grande. Temos que olhar para o contexto e para o momento em que o André esteve aqui, nos chamados anos dourados em termos de estabilidade financeira e de qualidade do plantel. Mas também houve treinadores com a mesma estabilidade e qualidade que não conseguiram ganhar. O André conseguiu e o seu impacto é reconhecido por toda a gente pelo trabalho que fez aqui.”

Marselha precisa de pontuar para continuar a sonhar com os oitavos
“O Marselha é uma equipa extremamente forte, tenho um respeito muito grande pelo Marselha e por outras equipas francesas. São de um campeonato com equipas que conheço, com equipas extremamente bem organizadas, com grandes individualidades. Não só na primeira divisão, mas também nas divisões secundárias, há muita qualidade. É um clube histórico, que nos vai exigir muito trabalho. Independentemente da situação menos feliz que ultrapassa, mas cada jogo tem a sua história e vai entrar para este jogo sabendo que tem de pontuar para manter as aspirações de passar à próxima fase. Espero um bom jogo, um jogo difícil para ambas as equipas e nós vamos fazer tudo para o ganhar.”

    O Portal do FC Porto utiliza cookies de diferentes formas. Sabe mais aqui.
    Ao continuares a navegar no site estás a consentir a sua utilização.