FCP logo
0

FC Porto e Atlético empataram a zero na abertura da Liga dos Campeões

Tudo igual entre FC Porto e Atlético em Madrid. Na ronda inaugural da Liga dos Campeões, os Dragões foram ao Estádio Metropolitano empatar a zero com o campeão de Espanha e trazer o primeiro ponto europeu da edição 2021/22 da maior prova de clubes do mundo. Num jogo de enorme intensidade, ou não estivessem frente a frente os esquadrões de Sérgio Conceição e de Diego Simeone, os da Invicta foram quem esteve mais perto de ganhar: uma bola ao poste de Otávio e um golo anulado a Mehdi Taremi - vítima de um grande infortúnio e do apito leve de Ovidiu Hategan, sempre contra os azuis e brancos - causaram calafrios às hostes madrilenas e deixaram água na boca aos portistas.

O timoneiro do FC Porto promoveu três alterações em relação ao onze que havia apresentado em Alvalade no passado sábado, entrando desta vez com Zaidu na esquerda da defesa, Marko Grujic no centro do terreno e Toni Martínez no eixo do ataque, em vez de Marcano, João Mário e Bruno Costa. Logo ao quinto minuto, o repetente Diogo Costa negou o golo a Suárez com uma defesa que ficou na retina. Ao quarto de hora surgiu a primeira ameaça portuense: canto na direita e o gigante Grujic cabeceou por alto. Numa altura em que as equipas pareciam muito encaixadas uma na outra, Luis Díaz teve espaço para progredir, soltou em Zaidu e o nigeriano só foi travado por um carrinho de Kondogbia dentro da área. 

No regresso das cabines para a etapa complementar, Wendell rendeu Zaidu e estreou-se de brasão abençoado ao peito. Cinco minutos volvidos, um cruzamento remate de Otávio sobrevoou toda a defensiva colchonera e só foi travado pelo ferro direito de Oblak. Na recarga, Mehdi Taremi não foi capaz de dizer que sim ao golo. Logo de seguida, Pepe saiu com queixas físicas, cedeu a braçadeira a Otávio e Marcano foi chamado à contenda. À entrada para o último quarto da partida, Sérgio Conceição lançou o homónimo Oliveira e Vitinha para os lugares do desgastado Toni Martínez e do amarelado Matheus Uribe, reforçando o meio-campo portista com mais um elemento. A defesa do jogo surgiu praticamente de imediato: o esférico chegou aos pés de Correa que, com a bota direita, o colocou rasteiro no ferro mais distante. Sem medo dos grandes palcos, Diogo Costa esticou-se e desviou a bola para canto. O momento da noite surgiu ao minuto 80, altura em que Taremi - tal como na última receção à Juventus - aproveitou um mau atraso de Lodi para inaugurar o marcador. A saída de Oblak pelo chão derrubou o iraniano, que viu o tento ser anulado por suposta mão na bola. Até ao final não faltou ação. Já depois de Pepê render Luis Díaz, Mbemba esteve a centímetros de desviar para a baliza um livre cobrado na perfeição por Sérgio Oliveira. O mesmo Mbemba viria a ser expulso no último minuto do tempo de compensação, por falta sobre Griezmann em zona perigosa e em tudo semelhante ao lance de Felipe com Otávio que o árbitro admoestou com a cartolina amarela. Na cobrança, Luis Suárez não transformou o nulo numa grande injustiça e atirou à malha superior.

    O Portal do FC Porto utiliza cookies de diferentes formas. Sabe mais aqui.
    Ao continuares a navegar no site estás a consentir a sua utilização.