FCP logo
0

Jorge Nuno Pinto da Costa, Raquel Ferreira e Paulo Rebelo Gonçalves discursaram na apresentação do livro que homenageia Alfredo Quintana

Realizou-se, nesta segunda-feira, a apresentação do livro “Alfredo Quintana. Um guerreiro extraordinário”. A homenagem contou com a presença da direção do FC Porto, com a equipa de andebol portista, com representantes da Porto Editora, parceira na elaboração do livro, e com Raquel Ferreira, a esposa de Alfredo Quintana.

No palco, tomou primeiro a palavra Paulo Rebelo Gonçalves, da Porto Editora, que referiu haver “sempre uma relação muito emocional e afetiva nos livros que fazemos, mas com este livro ainda foi mais especial” pois, era de Alfredo Quintana que se falava, “uma pessoa muito especial”. Jorge Nuno Pinto da Costa foi o seguinte a discursar, tendo lido o prefácio do livro porque, disse o Presidente do FC Porto: “Aquilo que escrevi é o que me vai na alma”. Por fim, Raquel Ferreira, num discurso apaixonado e sincero, agradeceu a todos os presentes e lembrou: “Gostaria que o Quintana não fosse lembrado unicamente pelo nome, mas também pela pessoa que ele era, pela forma como ele encarava a vida”.

Paulo Rebelo Gonçalves
“Foi um enorme privilégio aquele que a Porto Editora teve em editar este livro. Há sempre uma relação muito emocional e afetiva nos livros que fazemos, mas com este livro ainda foi mais especial. Estamos a falar de uma pessoa muito especial e, por isso, é com muita honra que estamos aqui nesta apresentação.”

Jorge Nuno Pinto da Costa
“Nunca em 40 anos li alguma coisa que tenha dito aos microfones. Hoje, para que fique bem gravado e porque aquilo que escrevi é o que me vai na alma, quero ler o prefácio deste livro. Em quase 40 anos como presidente do FC Porto, já são muito poucas as coisas que me conseguem surpreender verdadeiramente. Ainda assim, há algumas que mesmo não sendo inéditas nunca deixam de me tocar: uma delas é verificar como homens e mulheres nascidos noutros países, às vezes em realidades completamente distintas da portuguesa, que não são portistas desde o berço, conseguem desenvolver relações fortíssimas de afeição em relação ao clube, como se tivessem nascido e sempre vivido a poucos metros dos estádios das Antas ou do Dragão e vibrassem com o FC Porto desde sempre. O Alfredo Quintana foi um desses casos verdadeiramente extraordinários. Como escrevi na altura, a partida inesperada e injusta do Alfredo Quintana, a 26 de fevereiro de 2021, confrontou-nos com o essencial sobre as nossas vidas, em que no fundo tudo é breve e provisório. Ou quase tudo. A memória de um herói como o Alfredo Quintana viverá enquanto por cá andarem portistas, portugueses e amantes do andebol. E este livro, não tenho dúvidas, cumprirá um papel importante nessa eternização de um guerreiro extraordinário."
 
Raquel Ferreira 
“Gostaria que o Quintana não fosse lembrado unicamente pelo nome, mas também pela pessoa que ele era, pela forma como ele encarava a vida, uma pessoa feliz, com vontade de viver e boa disposição. Onde ele estivesse, era impossível haver lugar para a tristeza. Era um atleta de excelência que entrava em campo de corpo e alma e, como ele muitas vezes me dizia, o seu segredo era encarar o próximo jogo como se fosse o último e o único objetivo era vencer. Isto fez dele o atleta em que se tornou.”

Veja a apresentação do livro “Alfredo Quintana. Um guerreiro extraordinário” na íntegra aqui.
 

    O Portal do FC Porto utiliza cookies de diferentes formas. Sabe mais aqui.
    Ao continuares a navegar no site estás a consentir a sua utilização.