FCP logo
0

Carlo di Benedetto (2) e Gonçalo Alves (2) fizeram os golos azuis e brancos na partida (4-3)

No primeiro jogo com adeptos do pós-pandemia no Dragão Arena, o FC Porto deu uma cambalhota ao marcador e venceu o Óquei de Barcelos (4-3) na estreia no Nacional de hóquei em patins. Num jogo de grandes emoções, os Dragões ultrapassaram um muro chamado Constantino Acevedo e vingaram a final da Elite Cup.

Constantino Acevedo. Foi este o nome mais ouvido na etapa inaugural, o do guarda-redes do Óquei de Barcelos que impediu inúmeras oportunidades claras de golo de serem concretizadas pelo FC Porto e que segurou a vantagem amealhada pelos visitantes graças aos golos de Alvarinho (3m) e de André Centeno (11m) até ao intervalo. Durante 25 minutos, além de oportunidades em jogo corrido contra a defesa conservadora do Barcelos, o FC Porto não conseguiu transformar em golo três livres diretos: primeiro foi Carlo Di Benedetto a atirar para uma defesa do guardião minhoto (12m), na sequência de um cartão azul mostrado a Centeno, depois Gonçalo Alves a perder com Constantino, aos 20m, fruto de um cartão azul mostrado a Rampulla, e novamente o 77 portista, no seguimento da décima falta dos adversários, mas desta vez a não acertar na baliza contrária. A eficácia fazia toda a diferença ao intervalo e a vantagem sorria ao Barcelos (2-0).

Para contrariar o muro que se ia erguendo na baliza minhota, o FC Porto voltou avassalador do intervalo e Carlo Di Benedetto bisou em sete minutos. Aos 27, através de um livre direto fruto do cartão azul mostrado a Luís Querido, bateu pela primeira vez Constantino e, aos 32, de novo de livre direto, mas desta feita na sequência da 15.ª falta do Barcelos, o 19 azul e branco restabeleceu a igualdade na partida. Aos 39 minutos, foi a vez de Xavi Malián brilhar na baliza do FC Porto, ao defender um livre direto a Dário Giménez, fruto da décima falta feita pelos Dragões. O muro minhoto quebrou pela terceira vez aos 42 minutos, Gonçalo Alves bateu Constantino numa grande penalidade cometida por Luís Querido sobre Telmo Pinto. Estava dada a cambalhota no marcador a oito minutos do final do encontro. Ainda no mesmo minuto, houve cartão azul para Reinaldo García e Xavi Malián voltou a agigantar-se entre os postes, desta vez frente a Alvarinho. A quatro minutos do final, Gonçalo Alves, habitual figura em destaque no hóquei portista, disparou do meio da rua e fechou o destino da partida com o seu segundo tento no jogo. Aos 48 minutos, ainda houve tempo para Constantino negar, mais uma vez, o golo a Gonçalo Alves num livro direto, fruto da 20.ª falta minhota e, a 50 segundos do final, Alvarinho ainda reduziu para o Barcelos (4-3), mas a vitória estava pintada de azul e branco e os três pontos ficaram na Invicta.

“O primeiro objetivo era ganhar e recuperar a confiança, a Elite Cup foi dura para nós porque queríamos ganhar, creio que o staff e os adeptos podem estar orgulhosos com o que lutou a equipa contra uma equipa complicada, com um bom guarda-redes. Já na Elite Cup tivemos muitas chegadas à baliza e não concretizamos, mas a coragem, garra e raça dos jogadores virou o resultado. Estávamos a trabalhar bem, o ataque estava a funcionar, mas temos de trabalhar dentro do nosso modelo, precisamos de tempo. Vamos bem no processo, era importante ganhar e ficar com os três pontos e estamos muito felizes”, afirmou Ricardo Ares, treinador do hóquei em patins portista, no final da partida.

Na segunda jornada do Nacional de hóquei em patins, o FC Porto desloca-se ao reduto do Turquel (sábado, 25 de setembro, 21h00, FC Porto TV/Porto Canal).

 

FICHA DE JOGO

FC PORTO-ÓQUEI DE BARCELOS, 4-3
Campeonato Nacional, 1.ª jornada
18 de setembro de 2021
Dragão Arena

Árbitros: Miguel Guilherme e João Duarte

FC PORTO: Xavier Malián (g.r.), Rafa, Xavier Barroso, Gonçalo Alves e Carlo Di Benedetto
Suplentes: Tiago Rodrigues (g.r.), Reinaldo García (cap.), Ezequiel Mena, Carlos Ramos e Telmo Pinto
Treinador: Ricardo Ares

ÓQUEI DE BARCELOS: Constantino Acevedo (g.r.), Darío Giménez, Luís Querido (cap.), André Centeno e Alvarinho
Suplentes: Bruno Ferreira (g.r.), Zé Pedro Pereira, Danilo Rampulla, João Guimarães e Miguel Rocha
Treinador: Rui Neto

Ao intervalo: 0-2

Marcadores: Alvarinho (3m, 49m), André Centento (11m), Carlo Di Benedetto (27m e 32m) e Gonçalo Alves (42m e 46m)
 

    O Portal do FC Porto utiliza cookies de diferentes formas. Sabe mais aqui.
    Ao continuares a navegar no site estás a consentir a sua utilização.