FCP logo
0

Sérgio Conceição elogiou a forma como o FC Porto deu a volta ao Vitória de Guimarães (3-2)

O FC Porto fechou 2020 com um triunfo frente ao Vitória de Guimarães (3-2), no Estádio D. Afonso Henriques, em partida a contar para a 11.ª jornada da Liga. Após o difícil duelo com os vitorianos, Sérgio Conceição deixou palavras elogiosas à capacidade de reação da equipa e ao caráter que mostrou para dar a volta a um resultado desfavorável. O treinador dos campeões nacionais considerou ainda que os jogadores que saltaram do banco foram absolutamente decisivos para o desfecho positivo. Depois de vencer o campeonato, a Taça de Portugal e a Supertaça em 2020, Sérgio Conceição confessa que assina por baixo um 2021 igualmente bem sucedido.

O resumo do jogo
“Estou cá para retificar quando alguma coisa não corre bem, mas o plano inicial estava dentro do que foi a preparação para o jogo. Percebemos em estágio que um jogador importante na estratégia da equipa não podia jogar e isso cria dificuldades, porque os jogadores não são iguais. Entra o Romário Baró porque pisava terrenos mais de acordo com o que queria para a ala esquerda. Depois com o amarelo, podia tornar-se perigoso numa transição rápida do Vitória de Guimarães. O Pepe saiu por lesão e decidi fazer as duas substituições ao mesmo tempo. Estivemos muito bem a partir dos 20/25 minutos e criámos várias oportunidades para marcar, mas na primeira vez em que foi à nossa baliza o Vitória de Guimarães marcou num remate que desvia num jogador nosso e engana o Marchesín. Fomos atrás do empate, conseguimos e até tivemos mais oportunidades para fazer mais golos. Na segunda parte tivemos de correr outra vez atrás do prejuízo, mas a reação da equipa foi sempre boa. O resultado deu-nos razão. Ganhar em casa do Vitória de Guimarães é sempre difícil. Conseguimos uma vitória justíssima. A equipa teve caráter e personalidade, olhou para as dificuldades do jogo e soube dar a volta.”

Reativos e ofensivos
“Fomos reativos e eu não queria isso, queria que comandássemos o jogo e que fôssemos uma equipa com o caudal ofensivo que tivemos. Criámos muitas situações para fazer mais golos, mas não podemos ter perdas de bola que comprometam a equipa. Em termos de equilíbrio, creio que estivemos sempre equilibrados. O Malang Sarr é esquerdino mas jogo no lado direito do eixo defensivo e deu uma boa resposta. Os jogadores que entraram estiveram um pouco acima de toda a gente, pois deram muito à equipa depois de entrarem.”

A luta pelo título e os jogadores que saíram do banco
“Nunca há certeza de nada, mas há a convicção de que faremos tudo para sermos campeões. Temos de contar com um campeonato difícil e jogos de elevadíssima dificuldade, mas estamos aqui para a luta. Os jogadores que saíram do banco deram uma resposta fantástica. Foi aí que ganhámos o jogo, na minha opinião.”

Marega e Mehdi Taremi juntos no ataque
“Mesmo quando o Mehdi não era titular, era muitas vezes utilizado. Obviamente que há o trabalho específico com os jogadores e o trabalho coletivo, a todos os níveis. Houve uma adaptação normal e natural do Mehdi, que neste momento está muito bem, assim como toda a equipa. Estamos a concluir um ciclo de jogos duríssimo e cinco dias foi o maior espaço de tempo que tivemos entre jogos nos últimos meses. É uma densidade competitiva incrível e vamos continuar a tê-la, mas é isso que queremos pois estamos em todas as frentes e jogamos para conquistar títulos. Queremos sempre sair do campo com a consciência de que não permitimos quase nada ao adversário e que estivemos sempre por cima, mas os adversários também têm qualidade e também dão respostas positivas nos jogos.”

Pepe e Mehdi Taremi tocados
“O Pepe foi um problema no gémeo. O Mehdi sofreu uma pancada, mas a nível muscular também estava com um pequeno problema. Foram contratempos do jogo, mas os jogadores que entraram deram uma reposta muito positiva, que deixa uma boa sensação em relação ao grupo de trabalho que tenho. Todos estão focados e preparados para dar uma boa resposta quando são chamados.”

Castigo de Otávio comunicado durante o estágio
“Tínhamos uma estratégia preparada para o jogo e o Otávio estava para jogar, mas foi-me comunicado na véspera do jogo, durante o estágio, que não poderia jogar. Aí não há tempo para redefinir ou colocar um jogador com características diferentes. O que me dava mais garantias nessa posição era o Romário Baró, pois explora bem o espaço interior.”

Zaidu teve Ricardo Quaresma pela frente
“Não sei se pesou, se o agarrou ao colo, não faço a mínima ideia. Para mim os jogadores têm todos o mesmo peso, no sentido em que os jogadores têm um jogador pela frente. O que ele tem de fazer não tem de ser condicionado pelo jogador que tem pela frente. Hoje não esteve tão bem como costuma estar, mas é completamente compreensível para um jovem que vem de um contexto fantástico, que toda a gente elogia e diz que não se fala nem se lembra do Alex Telles porque temos o Zaidu.”

2020 e 2021
“Em termos desportivos, assino já por baixo ganhar a mesma coisa em 2021. Desportivamente foi um ano muto bom. Espero que o próximo também seja de sucesso. Desejo a todos boas entradas e que 2021 seja um ano de esperança naquilo que é a atmosfera e o ambiente de desconfiança que existe devido a este terrível vírus.”

Jorge Nuno Pinto da Costa diz que o FC Porto é a melhor equipa
“É a opinião do presidente. No ano de 2020, o FC Porto foi a melhor equipa, pois ganhámos quase tudo. Nesse sentido, ele tem razão em afirmar que o FC Porto foi a melhor equipa, mas agora temos de iniciar 2021 a sério e conquistar títulos. A hegemonia é o próximo jogo a ganhar e o próximo título. Temos de atingir um nível alto e continuar lá, pois é isso que faz as equipas campeãs.”

    O Portal do FC Porto utiliza cookies de diferentes formas. Sabe mais aqui.
    Ao continuares a navegar no site estás a consentir a sua utilização.