FCP logo
0

Sérgio Conceição anteviu o FC Porto-Sporting de amanhã (20h15) e reagiu ao castigo aplicado a Pepe

O FC Porto defronta esta quinta-feira o Sporting na segunda mão das meias-finais da Taça de Portugal (20h15, Sport TV). Sérgio Conceição, na antecâmara da partida, foi perentório ao afirmar que “não há margem de conforto” na eliminatória, apesar de os portistas estarem em vantagem devido à vitória (2-1) em Lisboa e disse esperar “um jogo competitivo” que dê motivos para que “no final possamos todos celebrar”. Sobre o caso Pepe, o treinador relembrou que saiu com “o timing” habitual e manifestou o seu desagrado, tendo sido claro ao explicar que “é revoltante”, que “não vale tudo para se ganhar” e deixado um recado à equipa: “Temos de ter o discernimento e a capacidade de juntos sermos ainda mais fortes”. Além das ausências de Pepe e do lesionado Manafá, o mister afirmou que “vai ser difícil” contar com Matheus Uribe e Bruno Costa, ao contrário de João Mário, que “está melhor”.

Sérgio Conceição começou por afirmar estar “à espera de um adversário na máxima força. Não há margem de conforto, estamos a meio da eliminatória, faltam 90 e poucos minutos para atingirmos o que queremos, que é a final da Taça, é um objetivo. Não se pode categorizar se é primeiro ou segundo objetivo, portanto é isso que vamos fazer juntamente com os nossos adeptos. Vai ser um jogo competitivo à imagem do que têm sido os jogos com este rival e espero que no final possamos todos celebrar. O João está melhor que antes do último jogo, o Matheus e o Bruno vai ser difícil contar com eles por aquilo que me apercebi durante o treino”.

O técnico reagiu ao castigo aplicado a Pepe, tendo explicado que esta decisão, tomada como sempre à última da hora, é revoltante e injusta: “É o timing que vocês sabem. Depois de tudo o que se passou, o Pepe é o único de fora. É revoltante, é revoltante, mas isto é o futebol que temos. Não vale tudo para se ganhar. Eu já fui alertando de há um mês e meio para cá, cheirava-se e confirmou-se. As pessoas começam a ser previsíveis demais. Agora, temos que ter o discernimento e a capacidade de juntos sermos ainda mais fortes. Não estou minimamente preocupado com o estado de espírito do rival. Estive preocupado em preparar bem o jogo, tivemos esta notícia à última da hora porque o Pepe ia jogar, tivemos que preparar uma solução. Não é pela falta de soluções que me queixo porque tenho centrais que me dão garantias ao nível da entrega ao jogo, da qualidade e do espírito de sacrifício. O Pepe é um dos capitães da seleção, foi decisivo na ida ao Mundial e agora estamos privados do nosso capitão num momento decisivo. O estado de espírito deles é o adequado para uma meia final, o Rúben Amorim não tem culpa de ter o plantel todo à disposição, o que é bom”.

Sobre o aspeto tático, Sérgio Conceição explicou que, “de acordo com aquilo que são as características dos jogadores que entram em campo, tentamos ir ao encontro dessas caraterísticas, metendo-os num momento confortável no jogo em que consigam explorar todo o seu potencial, sempre de uma forma equilibrada. Temos de reagir bem à perda, por isso temos de saber o que fazer a nível ofensivo. Desde que chegámos aqui, batiam no futebol vertical e no Marega, mas quem está atento vê essa riqueza tática nos últimos anos. Neste momento, com os jogadores que temos, estamos num bom momento e queremos prolongá-lo no jogo de amanhã”.

Em relação às teorias da conspiração que se sucederam ao jogo diante do Portimonense, o técnico frisou: “Desde já um abraço para o Paulo Sérgio, para o grupo de trabalho do Portimonense, não merecem os comentários que foram feitos durante a semana. Eles dificultaram-nos o jogo no início, mas fomos eficazes. Criámos tantas oportunidades como noutros jogos com equipas de maior nome, mas marcámos. Se calhar vamos tentar não marcar tantos para não haver estas questões”.

Por fim, Conceição prometeu um FC Porto igual a si próprio: “Estou incendiado por natureza, vocês falam sempre numa equipa intensa, que quer ganhar os duelos, vamos estar assim amanhã, não por ser uma meia-final nem por ser o Sporting, é mais um jogo e é a nossa identidade. Preparámos o jogo no que é a ação dentro de campo, com os jogadores e os treinadores, isso é que me importa. Tudo o que é o estado de espírito, é o habitual de um clássico que pode dar acesso à final de um objetivo que queremos conquistar. A minha equipa normalmente corre mais que os adversários, ganha mais duelos, e espero que amanhã seja igual”.

Veja aqui, na íntegra, a conferência de imprensa de Sérgio Conceição. 

    O Portal do FC Porto utiliza cookies de diferentes formas. Sabe mais aqui.
    Ao continuares a navegar no site estás a consentir a sua utilização.